De repente três

Babá, avó ou berçário?
11 de janeiro de 2016
A criança de um ano
14 de janeiro de 2016
Mostrar tudo

De repente três

“A doutora  calmamente olhou para mim e disse que eram três. ‘Três o quê?’, perguntei sem entender muito bem o que ela estava falando. ‘Três bebês’, ela respondeu sorrindo. ‘Três bebês aonde?’ perguntei ainda sem entender nada. ‘Três bebês na sua barriga. Parabéns, você está esperando trigêmeos!’’’.  E foi neste momento que Cynthia Camargo Mariani, em um misto de desespero e felicidade, chorou, sorriu, sentiu falta de ar, medo, alegria, euforia, susto, tudo junto, misturado, e multiplicado por três. Ou por cinco ou por mil! Agora, passados um ano e quatro meses desde o nascimento a advogada, que se  dedica exclusivamente ao crescimento delas, aceitou dividir conosco detalhes dessa grande família e como mantem a situação sob controle com todo esse trabalho triplicado.

Revista Babies: Haviam programado engravidar? Ficaram surpresos ao saber que eram três?

Cynthia: Estávamos tentando há dois anos, pois meu sonho sempre foi ser mã1ano-92e e quando soube que estava grávida fiquei radiante, porém no momento que descobri que eram três até passei mal e nunca imaginei que isso pudesse acontecer comigo. Eu demorei duas semanas para assimilar a ideia. Já o Mauro, desde que soube, começou a pesquisar produtos, como seriam os próximos meses e anos tanto para elas como conosco. Com o tempo a ficha vai caindo e você se obriga a entrar no universo.                                                                  

Revista Babies: Qual a rotina delas?

12108115_902426526531445_5522645542281184433_nCynthia: Precisa ter muita organização. Com três crianças não dá pra perder a ordem. Eu procuro ser um pouco linha dura até mesmo para não pirar.  Desde que elas nasceram anotamos tudo, elas sempre dormiram no quarto delas e 21 horas todas estão na cama.

Revista Babies: Quais as dificuldades em ter três filhos?

Cynthia: A maior dificuldade é aceitar que você não tem três braços e que precisa da ajuda dos outros. Além disso, o efeito cascata, quando uma fica doente todas ficam e a situação se complica.

Revista Babies: Contam com a ajuda de alguém?

Cynthia: De todo mundo (risos)! Tanto a minha família como a do Mauro são muito presentes e sempre que podem estão envolvidas no crescimento delas. Mas profissionalmente, no inicio, todo dia tinha uma enfermeira comigo, agora que elas estão maiores contamos com uma baba todas as noites e nos finais de semana duas.

Revista Babies: O Mauro vive grande parte do tempo em Brasília ou viajando como administram essa distancia com as meninas?

Cynthia: Ele é muito presente na vida delas e a tecnologia ajuda muito. Os quatro se falam no mínimo 20 vezes por dia através do Facetime. A Manu é a mais a apegada e vive chamando pelo pai. E quando ele está em casa, ele é muito participativo, brinca, vai na farmácia, se envolveBatizado-125.

Revista Babies: Como elas são? 

Cynthia: Desde que nasceram elas tem personalidades muito diferentes. A Manu é mais carinhosa, prefere ficar no colo, a Rafa é muito cur
iosa e foi a primeira a fazer tudo, a falar, a andar, já a Bea ela é braba, mas ao mesmo tempo muito engraçada.

Revista Babies: Como é sair de casa com três bebês?

Cynthia: Na rua o carinho é gostoso, elas são sempre um ponto turístico. As pessoas querem brincar com elas, perguntar sobre como é cuidar de três, coisas deste tipo. E para nós é sempre uma mudança, pois é necessário levar três carrinhos, três malas, babá e assim por diante (risos).

Revista B10805007_728475213926578_1003174842_nabies: Qual conselho daria para uma futura família de trigêmeos?

Cynthia: Organização é fundamental, durante a gestação comecem a procurar uma boa enfermeira, participem de cursos para gestante e preparem-se psicologicamente, pois vocês saem da maternidade e seus filhos iram precisar ficar até ganharem peso e ficarem mais fortes. As minhas ficaram em observação por 26 dias e essa fase é bem delicada para todos, porém, eu aproveitei esse tempo para aprender com as enfermeiras a como cuidar delas.

Revista Babies: Como ficou a relação de casal de vocês com a chegada delas?

Cynthia: Agradeço ao Mauro por se importar tanto com essa questão. Acho que toda mulher quando vira mãe não quer mais desgrudar dos filhos e o Mauro faz questão de nós dois viajarmos a sós pelo menos duas vezes ao ano. Segundo ele, os filhos vão crescer e viver suas vidas a gente vai ficar, por isso é importante preservar o relacionamento. Lógico que o coração fica na mão.

 

Mariana Woj
Mariana Woj
Sou jornalista por profissão, editora da Revista Babies, casada com o Leandro e apaixonada pelo coração cheio da amor que adquiri desde que me tornei mãe do Ben,

7 Comentários

  1. Marisa disse:

    Esse revista encontro mas bancas de revistas

  2. Patrícia sarda disse:

    Quando soubemos que a Cynthia ia ser mamae de trjgemeas , acredito que todas que a conheciam, acharam que Deus existe … muito meiga e atenciosa com as pessoas, Cynthia com certeza seria uma super mãe .parabéns querida, sua meninas são lindas.

  3. Cilene Maria hittel pscheidt disse:

    Meu nome …cirlene pscheidt…Tbm sou mãe de trigemeos ,hoje estão com 17 anos….quando eles nasceram Mauro Mariani me ajudou muito pois era o prefeito da nossa cidade…rezei e pedi pra Deus q lhe desse retorno de tudo o q faz por mim e por meus filhos….generosidade de Deus foi grande…presenteou ele com trigêmeos !!!
    Tive o prazer de fazer fotos dos meus filhos trigêmeos ( Millena, Eduardo e Sabrina ) com as trigemeas do Mauro e da Cíntia. .

  4. simone aparecida da Costa disse:

    também sou mãe de trigêmeos , são duas meninas e um menino.. eu tinha duas placentas… moro na cidade de Mafra, hoje eles estão com 16 anos, nasceram de 33 semana , por causa de um deslocamento de placenta… Nasceram muito pequeno 1200, 1110, 1270, ficamos 64 dias na maternidade… ontem tinha apenas um berço aquecido e duas incubadoras.. na época a maternidade não tinha todo este patrimônio que tem hoje.. Mais eu sempre confie em Deus… e acredito que eles sobreviveram por milagre… minha gestação também foi natural… hoje são crianças lindas, não ficaram com nenhuma sequela…devido serem prematuros… filhos são dádivas de Deus…apesar das dificuldades que tivemos que enfrentar..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *