Papai é Pop

Como escolher o pediatra
1 de dezembro de 2015
Experiência com o SUS na gestação
8 de dezembro de 2015
Mostrar tudo

Papai é Pop

No mundo existem vários tipos de pais: os brincalhões, severos, divertidos, superprotetores, estressados, gentis e aqueles que escolhem não ser pais. Já Marcos Piangers, mais conhecido pelo seu trabalho como radialista no programa Pretinho Básico, optou por exercer essa árdua, mas recompensadora função, com muito bom humor e amor. Sua paixão incondicional pelas filhas, Anita e Aurora, motivou-o a escrever uma série de crônicas desse dia a dia que resultaram num dos livros mais vendidos do momento.

O Papai é Pop reúne 33 textos que transmitem os desafios, situações engraçadas e, principalmente, a visão de Piangers sobre a paternidade. Durante sua passagem por Santa Catarina, conversamos com o autor, que nos conta um pouco mais sobre seu livro e seu relacionamento sincero, estreito e feliz que mantém com as suas filhas.

Revista Babies: O que te motivou a escrever o livro? No livro são textos novos ou você juntou tudo que já havia escrito no Zero Hora?

Marcos Piangers: São textos que escrevi ao longo de alguns anos, sobre família e minha vida com as meninas. A motivação é guardar os presentes que elas me dão todos os dias, em forma de palavras ou ações.

Revista Babies: Seu livro está entre os mais vendidos do Brasil. A que você reconhece esse sucesso todo? 

Marcos Piangers: Acho que ele representa o pai de hoje em dia, que é mais presente e atencioso. Acho que homens e mulheres estão se emocionando com coisas que não são muito ditas, como por exemplo, a não necessidade de gastar tanto dinheiro quando você vai ter um filho.

Revista Babies: Na sua infância, você conviveu com sua mãe e não teve a figura de um pai. Você sente que faltou esse amor paterno? 

Marcos Piangers: Claro! Sempre faz falta a presença do pai. Minha mãe fez o que podia, mas o pai presente não é apenas para o filho. É para melhorar a vida do próprio pai, que se torna um humano melhor. E da mãe, que pode ter as tarefas divididas.

Revista Babies: E sem um exemplo para se espelhar, como você se formou esse pai e buscou fazer a diferença  para suas filhas?

Marcos Piangers: Minha mulher me ensinou a ser um pai mais presente e atencioso. Ela é incrível.

Revista Babies: Muitas pessoas acham que uma mulher se sente mãe logo que descobre que está grávida, e o homem se sente pai apenas quando a criança nasce. Para você, quando você se sentiu realmente pai?

Marcos Piangers: Acho que esses clichês não valem pra todo mundo. Fiquei muito feliz quando soube que seria pai, mas minha mulher ficou apreensiva. O corpo dela, a profissão dela iria mudar. Para o homem é fácil dizer que o parto é mágico, que se sente pai desde o início. Mas o homem tem que entender o lado da mulher e aprender com ela a ser uma pessoa melhor.

Família Piangers - crédito Giselle Sauer

Revista Babies: Durante o dia a dia de que forma você se faz presente na vida das suas filhas?

Marcos Piangers: Tento estar sempre com elas. Prefiro um cinema com elas a um chope com amigos. Procuro encontrar pontos de conexão, coisas que gostamos de fazer juntos. Tento prestar atenção no que dizem, como estão se comportando. E, óbvio, dou banho, comida e ponho pra dormir quase todas as noites. Isso é básico.

Revista Babies: Qual sua maior preocupação como pai?

Marcos Piangers: A formação escolar das minhas filhas, que tristemente é muito parecida com a que eu tive, que é muito parecida com a que a minha mãe teve. A escola não evoluiu junto com as tecnologias e a minha filha tem estímulos muito maiores com videogame do que com matérias escolares. Isso é uma tragédia. Quero que elas encontrem paixões e saibam que podem ser o que quiserem, apesar das disciplinas serem tão chatas e, muitas vezes, inúteis.

Revista Babies: Quem era o Piangers antes das filhas e o de agora?

Marcos Piangers: Era muito mais cínico, muitas vezes não tinha a sensibilidade que tenho agora.

Revista Babies: O que é essencial para ser um bom pai ou uma boa mãe?

Marcos Piangers: Atenção e paciência. Preste atenção no seu filho. E como dizem: passa rápido.

Mariana Woj
Mariana Woj
Sou jornalista por profissão, editora da Revista Babies, casada com o Leandro e apaixonada pelo coração cheio da amor que adquiri desde que me tornei mãe do Ben,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *